Arquivo da Categoria: Estética

A eficácia da isotretinoína no tratamento da acne

Motivos hormonais, alimentação, cosméticos inadequados ou hábitos de higiene mal informados, são apenas alguns dos factores que agravam a acne, uma condição cutânea que pode causar grande transtorno estético e social, além de deixar cicatrizes para a vida. A isotretinoína é um dos tratamentos mais eficazes no combate à acne vulgar, tal como foi publicado em Agosto pela Advanced Biomedical Research.

Eficácia da isotretinoína combinada com antibióticos tópicos 

O estudo comparou a eficácia da isotretinoína e da combinação de isotretinoína e dapsona a 5%, em dois grupos de indivíduos para um total de 58 entre os 18 e os 25 anos.

A dapsona é um anti-bacteriano com acção anti-inflamatória cuja ingestão via oral é geralmente eficaz para acne severa, mas os efeitos secundários graves, que incluem anemia, aconselham-na apenas para os casos extremos em que a isotretinoína não tenha surtido efeito. Uma formulação para aplicação tópica de dapsona a 5% (Aczone) foi no entanto introduzida no mercado em 2008 (não em Portugal) e tem vindo a demonstrar eficácia, sem as complicações associadas à versão oral. Para os responsáveis pelo estudo, a vantagem da combinação entre dapsona e isotretinoína será a de compensar a demora na resposta clínica a esta última, combatendo o exacerbar inicial dos sintomas.

Os participantes no estudo foram escolhidos com base na Escala de Avaliação Global da Acne, excluindo aqueles em que a acne era secundária a outros problemas, se se encontrassem grávidas ou a amamentar, tivessem outros problemas dermatológicos na face, ou se se encontrassem a fazer outros tratamentos para a acne ou tivessem historial de medicação passível de interacção com a dapsona. Os participantes foram divididos em dois grupos, um dos quais utilizando um gel placebo não-comedogénico, mas ambos recebendo 20 mg de isotretinoína por dia durante 8 semanas.

Os resultados mostraram diferenças significativas na regressão tanto das lesões inflamatórias quanto das não-inflamatórias, com uma vantagem estatisticamente significativa para o grupo com a combinação dapsona e isotretinoína. O estudo determinou igualmente que a combinação é substancialmente mais eficaz nas mulheres. Por outro lado, no grupo de medicação combinada, surgiram alguns efeitos adversos, nomeadamente ardor (24.13%), eritema ligeiro (13.79%) e pele seca (10.34%). Os efeitos adversos foram significativamente inferiores no grupo que apenas tomou isotretinoína, com 2 casos de ardor (6.9%) e um de eritema (3.4%).

De modo global, a combinação de fármacos utilizada no estudo parece acelerar a regressão das lesões do acne, mas ambos os grupos mostraram eficácia equivalente das duas opções terapêuticas, enquanto a resposta à dapsona é superior no sexo feminino e portanto eventualmente mais justificada neste caso. O maior número de reacções adversas pode no entanto ser importante para a adesão dos pacientes ao tratamento até à sua conclusão final, ainda que em nenhum caso as reacções registadas tenham colocado em causa a saúde dos participantes.

A acne e a isotretinoína

Durante largo tempo considerado uma consequência da acção bacteriana nas glândulas sebáceas, a acne é hoje considerada como um processo eminentemente inflamatório que afecta cerca de 80% de todos os adolescentes e jovens adultos. A presença de acne na idade adulta é no entanto comum e nos casos mais graves pode deixar cicatrizes duradouras que requerem tratamentos estéticos complexos para total resolução.isotretinoína

Embora os mecanismos exactos do surgimento da acne não sejam totalmente conhecidos, a sua origem poderá estar na produção acrescida de sebo em conjunto com a proliferação anómala de queratinócitos, levando à formação de lesões de retenção.

Nesses pontos dá-se a posterior acumulação de sebo e aumento das dimensões da glândula sebácea afectada, formando os comedões.

A elevada eficácia da istotretinoína torna-a num trunfo no combate à acne, podendo ser coadjuvada com antibióticos orais ou formulações antissépticas. Um tratamento bem sucedido pode ser suficiente para eliminar de vez a acne, embora mais frequentemente seja necessário adoptar rotinas diárias que favoreçam a manutenção de uma pele saudável, nomeadamente ao nível da higiene facial ou utilização de maquilhagem.

Fundamentalmente é necessário compreender que com fármacos potentes e seguros como a isotretinoína, a acne já não tem que ser um pesadelo sem resolução.

Informe-se junto de um dermatologista para obter mais informações sobre o tratamento da acne e a isotretinoína.

download ebook_acne

Manchas na pele vermelhas com comichão: o que fazer?

Existem múltiplas razões para a nossa pele não ter um aspecto homogéneo e surgirem manchas de variadas cores e extensões. A maioria delas serão preocupantes apenas do ponto de vista cosmético e permanecerão assintomáticas. É o caso das sardas e os sinais. Mas se as manchas se encontram vermelhas e ardem ou provocam comichão, está mais do que na hora de procurar atenção médica.

Condições associadas a manchas vermelhas com prurido ou dor

As manchas castanhas que surgem na pele, entre sardas, melasma ou lentigo, estão relacionadas com a acção dos melanócitos na produção de melanina, o pigmento que protege a pele das agressões da exposição solar. A sua preocupação é fundamentalmente estética, apresentando-se as manchas geralmente assintomáticas.

Pelo contrário, quando as manchas na pele são vermelhas e apresentam ardor e comichão, estamos na maior parte dos casos perante casos inflamatórios. É o caso da rosácea couperose, que se caracteriza por eritema e vermelhidão quase permanente. A cor é conferida pela inflamação e dilatação (telangiectasias) dos capilares superficiais. 

Embora existam teorias que relacionem o surgimento da rosácea com a actividade de um tipo específico de bactérias intestinais, os mecanismos da doença não são totalmente compreendidos, embora se conheça uma ampla gama de factores de risco, nomeadamente alimentos picantes, exposição solar, frio, álcool, , medicamentos vaso-dilatadores, cafeína, e stresse.

O tratamento faz-se com antibióticos tópicos, mas o laser pulsado de contraste é a solução mais eficaz para eliminar permanentemente a vermelhidão, ao coagular os vasos sanguíneos dilatados. Se deixada por tratar, a rosácea, além de profundamente desconfortável, pode evoluir até à formação de deformações (rimofima).

Também a psoríase pode apresentar-se sob a forma de longas manchas vermelhas. Apesar de a sua forma mais conhecida ser a placa, caracterizada pela acumulação de escamas brancas de pele morta, esta condição auto-imune também pode manifestar-se na sequência de um gatilho medicamentoso, como trechos de pele inflamada e vermelha, não respondendo aos medicamentos usualmente utilizados para tratamento de eczemas.

O tratamento da psoríase é complexo, e adaptado a cada indivíduo, visto que mesmo a terapia ultravioleta, bastante difundida, pode agravar as lesões em alguns indivíduos. Alterações nos estilos de vida e a adopção de precauções com vista à protecção da pele, serão essenciais para prevenir o agravamento da condição.

Frequentemente ainda a dermatite seborreica pode confundir-se com a psoríase, e se o diagnóstico não for levado a cabo, o tratamento pode ser o errado e contribuir para o agravamento de qualquer uma das condições.

Também fácil de confundir com a psoríase é a erisipela, causada por uma infecção bacteriana subcutânea, e que por isso mesmo apresenta características diferenciadoras, nomeadamente o calor, febre e a dor na área infectada.

Manchas na pele vermelhas e assintomáticas

Mas e quando as manchas na pele são vermelhas, mas não apresentam sintomas?

Infelizmente neste caso poderemos estar perante uma situação ainda mais grave: cancro da pele.

A tonalidade vermelha e a ausência de prurido podem ser efectivamente indicativos de um problema oncológico cutâneo.

Se detectou manchas deste tipo no seu corpo, é importante verificar a presença dos seguintes sintomas:

  • Assimetria da lesãomanchas na pele
  • Bordas da lesão irregulares (ao contrário do lentigo)
  • Cor variável
  • Diâmetro acima de 8 mm
  • Evolução rápida.

A regra em manchas na pele vermelhas, com ou sem prurido e outros sintomas deve ser a procura de atenção médica, pois ao contrário das manchas provocadas por excesso de produção de melanina ou proliferação de melanócitos, estamos perante problemas que serão mais do que meramente cosméticos e com tendência a agravar, se uma intervenção médica não for encontrada.

O tratamento de manchas na pele deve ser encarado nestes casos como um problema médico e tratado como tal.

Não hesite em contactar o seu dermatologista, caso as manchas lhe levantem suspeitas.

Compreender o melasma para melhor o prevenir

O melasma são manchas da pele provocadas por uma reacção atípica dos melanócitos à exposição solar, e mediada por factores hormonais. Pouco compreendida, esta condição pode facilmente ser confundida com outros tipos de manchas da pele, mas possuem características e condicionantes verdadeiramente específicas. Eis portanto, tudo o que precisa saber sobre o melasma.

Para a compreensão do melasma

Embora afecte também homens, o melasma é uma condição predominantemente feminina, já que se julga que os factores hormonais estão na origem da proliferação aumentada dos melanócitos. Estrogénio e progesterona, tanto os obtidos através de contraceptivos, quanto os obtidos em terapias de substituição hormonal ou durante a gravidez, serão por isso os principais responsáveis. Neste sentido, a luz solar é apenas o factor que revela o problema, ao incentivar a produção de melanina.

O Verão é por isso a altura do ano em que o melasma mais se agrava, mas há que salientar que poucas condições cutâneas têm uma possibilidade de protecção tão elevada quanto esta. De facto, protectores solares com elevado factor de protecção podem bloquear os raios UV, diminuindo a estimulação à produção de melanina e impedindo o problema de se manifestar. 

Quando o melasma se manifesta, os cremes à base de hidroquinona estão disponíveis em farmácias, mas a sua capacidade de resolução serve apenas para os casos mais moderados. Nos casos mais intensos, o recurso a um dermatologista é essencial, pois só os profissionais de saúde poderão prescrever formulações com maior teor de hidroquinona e, consequentemente, com mais capacidade de acção. A hidroquinona pode no entanto possuir efeitos irritantes nas peles sensíveis e poderá não ser uma solução para todos.

Outras modalidades de tratamento existem, nomeadamente os peelings e alguns protocolos despigmentantes. Ambos provocam uma descamação acrescida da pele, incentivando a produção de novas células, e por isso facilitando a eliminação da melanina. O ácido tricloroacético (TCA) continua a ser a escolha de eleição de muitos dermatologistas, graças à sua segurança e eficácia, mesmo nas formas mais profundas do melasma, quando as manchas se encontram na derme. O fenol é outra opção um pouco mai agressiva mas de extrema eficácia quando bem usado.

Não podemos evidentemente esquecer-nos do laser, mas se nas terapêuticas acima mencionadas o recurso a um dermatologista certificado é importante, no caso laser é absolutamente fulcral, visto que algumas variedades de laser podem efectivamente agravar o melasma e só um dermatologista experiente será capaz de optar pelo tipo de laser mais adequado e proceder ao tratamento com grau de segurança aceitável.

E todavia, nem todas as manchas da pele são melasma.

Sabe distinguir melasma de outras manchas na pele?

A resposta provavelmente é “não”, e não faz mal. Existem múltiplos tipos de manchas na pele com coloração e fisionomia aproximadas ao do melasma. Essa existência é por vezes concomitante, dificultando o diagnóstico, e tornando o recurso a um dermatologista essencial.

Todas as manchas na pele são casos de hiperpigmentação, mas a sua origem e fisiologia são muito diferentes. Se no caso do melasma temos uma sobreactivação dos melanócitos por factores hormonais, nas sardas assistimos a um número normal de melanócitos que produzem melanina em excesso. Em ambos os casos, a condição é agravada pela exposição solar, que ao incentivar a produção de melanina leva ao escurecimento das manchas existentes. 

Dois casos completamente são os sinais (lentigo) e manchas de fígado (lentigo senil). Se os primeiros correspondem a uma proliferação anormal de melanócitos (hiperplasia), os outros resultam de danos causados pela exposição solar quando ultrapassamos a barreira dos 40 anos e a capacidade de regeneração da pele começa a diminuir.

Sardas e melasma são fáceis de distinguir aos olhos de um dermatologista experiente, já que possuem uma fisionomia relativamente diferente. Quando estas condições são concomitantes, o diagnóstico diferencial é de uma importância crucial, pois o tratamento de uma condição pode de outro modo agravar a outra. 

Nas duas condições despoletadas pela exposição solar (melasma e sardas), a prevenção com a utilização de protector solar e evitação de exposição ao sol é uma solução de elevada eficácia, além do mais barata por comparação a um tratamento efectivo.

Cada condição tem no entanto as suas especificidades e características, sendo crucial obter o diagnóstico por parte de um dermatologista, antes de iniciar o tratamento do melasma mais adequado a si. 

Bambuterapia: Resultados em Tratamentos para Celulite?

O bambu é conhecido da humanidade há vários milénios e ocupa um lugar de destaque na medicina tradicional Chinesa. Agora foi desenvolvido uma terapia que reclama ter efeitos significativos em tratamentos para celulite.

Bambuterapia entre os tratamentos para celulite

O bambu é uma planta icónica na cultura Chinesa e as suas propriedades medicinais têm sido postuladas há largos séculos. Símbolo da juventude, da prosperidade e da paz, o bambu tem um significado profundo para a civilização Chinesa.

A propriedade do bambu que permite a sua utilização em massagens reside na sílica que lhe reveste o exterior, conferindo-lhe grande dureza, ao mesmo tempo que mantém leveza e flexibilidade. No caso específico da bambuterapia, os seus praticantes formularam processos diversos que combinam aspectos da drenagem linfática, shiatsu e mesmo ayurveda. Em alguns casos, o bambu é aquecido e recorrem-se a óleos e loções para melhor coordenar os movimentos e a pressão.

O terapeuta recorre normalmente a movimentos de diferentes intensidades para influenciar os tecidos mais profundos e activar a circulação. Entre os seus benefícios postulados, encontra-se a circulação melhorada, auxiliando a drenagem de toxinas, relaxamento muscular, e libertação de endorfinas. A activação dos canais linfáticos também é indicada como tendo efeitos na eliminação da celulite comparáveis aos de outros tratamentos para celulite.

Actualmente, no entanto, não existem informações independentes nem estudos clínicos que possam atestar a verdadeira eficácia da bambuterapia no tratamento de celulite. 

Novos tratamentos para celulite

Para quem procura tratamentos para celulite, a dermatologia moderna possui algumas armas de inegável potência. Talvez a mais destacada seja a mesoterapia, que consiste na aplicação de princípios activos com acção lipolítica e estimulante da circulação sanguínea. tratamentos para celulite

Nas suas variantes mais modernas, este poderoso tratamento para a celulite é apenas minimamente invasivo, já que a aplicação dos fármacos pode ser feita por electroporação, ou a emissão de ondas electromagnéticas que mudam temporariamente a permeabilidade das membranas celulares. A iontoforese, através de um campo eléctrico local e a sonoforese, que produz micro-vibrações através de ondas ultrassónicas, são outros métodos que permitem depositar os princípios activos no espaço sub-dérmico.

Não podemos no entanto esquecer-nos de alguns tratamentos para celulite mais tradicionais cuja eficácia se encontra acima de qualquer dúvida.

Do ponto de vista cirúrgico, a subcisão é bastante satisfatória mas é algo agressiva. A intervenção consiste na utilização do bisel de uma agulha para cortar focalmente os septos fibrosos que prendem a pele e acentuam as depressões da celulite (dimples). Sem os septos, a pele livre retoma uma superfície mais homogénea. O lado negativo desta opção são os possíveis hematomas que se formam com um período de recuperação de cerca de 2 semanas.

Os tratamentos para celulite que se servem da tracção mecânica também mostram alguma eficácia. Referi-mo-nos especificamente à endermologia, segundo a qual a pele é sugada por um tubo e comprimida entre dois rolos, no que é efectivamente uma massagem mecânica. 

Uma outra variante da terapia por mobilização mecânica é a já estabelecida drenagem linfática. O método consiste numa massagem que pretende estimular a actividade dos canais linfáticos para que estes drenem o edema da celulite e ao mesmo tempo fazer a ruptura dos septos fibrosos de ancoragem dérmica.

A celulite é efectivamente uma condição que afecta muitas mulheres, independentemente dos seus estilos de vida, e constitui um problema muito complexo de resolver. Os melhores tratamentos são aqueles que combinam diversas abordagens, e aqui há que destacar o eficaz sistema Velashape, que combina a sucção com radiofrequência e os infravermelhos, num processo de modelagem corporal.

O sistema Velashape aquece os tecidos conjuntivos e promove o metabolismo do colagénio, ao mesmo tempo que activa a circulação sanguínea e a drenagem linfática, permitindo a eliminação de toxinas e tecidos adiposos. As pacientes tratadas notarão durante alguns dias um forte efeito diurético, já que todas as toxinas são encaminhadas para eliminação através da urina.

Porque os tratamentos para celulite não a podem curar por completo, a celulite deve ser encarada como uma condição crónica. Infelizmente, trata-se de uma condição totalmente independente do peso, por se tratar de uma herniação da matéria adiposa presente mesmo em mulheres magras. O excesso de peso permite no entanto aumentar os traços visuais do problema, parecendo exacerbá-lo.

Tratando-se de algo que a comunidade médica entende como uma condição inerente ao nosso organismo e não uma doença, sendo que em termos objectivos a associação de mesoterapia com massagem manual parece se a que melhor resulta.

O nosso conselho é que na procura por uma resolução para a sua celulite, procure sempre técnicos de saúde credenciados e experientes para evitar ser enganada por terapeutas de reputação duvidosa.

Tratamento do melasma: a importância da prevenção

O melasma é uma pigementação caracterizada por manchas cor café na face, afectando principalmente mulheres e caracterizando-se como uma condição sem gravidade, mas que causa grande desconforto estético. Apesar do mercado colocar ao nosso dispor múltiplas opções de elevada eficácia no tratamento do melasma, a prevenção é simples e a atitude mais recomendada. 

A origem do melasma

O melasma surge primariamente por exposição solar. A nossa pele possui células chamadas melanócitos que têm uma função protectora que consiste na produção de melanina, um pigmento que possui características extraordinárias de absorção da luz solar. Os melanócitos tipicamente produzem a melanina e depositam-na em vesículas chamadas melanosomas. Estes são então distribuídos para as células exteriores da pele, acumulando-se sobre o núcleo celular para o proteger da radiação UV.remoção de manchas - melasma

Desde modo a melanina tem uma importância fulcral na prevenção de tumores cutâneos, mas protege igualmente a pele do envelhecimento prematuro ao escudar a pele e o organismo dos efeitos oxidantes da luz solar. É precisamente graças a este mecanismo que diferentes tipos de pele têm factores de protecção solar intrínsecos diferentes, com as peles escuras a estarem mais protegidas contra o envelhecimento.

Por seu turno, a importância da função protectora da melanina explica porque é que esta se encontra tão à superfície da pele, constituindo uma barreira para todo o organismo. 

A acção dos melanócitos dá-se a partir do momento em que a nossa pele é atingida pelos raios solares, e quanto maior a exposição, maior será a produção de melanina, numa tentativa de combater os efeitos nefastos que a exposição possa ter. Por razões não totalmente compreendidas podem surgir manchas irregulares de maior pigmentação que os tecidos circundantes: o melasma.

Tipicamente as mulheres são as mais afectadas pelo melasma, pelo que a comunidade científica julga que os estrogénios e a progesterona terão um papel central no seu surgimento, por sua vez ajudando a compreender porque é que o melasma é uma patologia típica da mulher em idade fértil e se pode agravar, por exemplo, durante a gravidez.

Melasma: prevenir ou tratar

As manchas do melasma são lesões cutâneas de abordagem difícil, recorrendo-se para isso à aplicação de cremes à base de tretinoína ou hidroquinona, peelings químicos e/ou terapia laser em casos muito restritos. A intensidade e duração de cada tratamento está dependente da profundidade a que se encontram as manchas na pele, pois estas podem encontrar-se tanto ao nível da epiderme, quanto da derme, onde serão mais difíceis de tratar. O exame para determinar a profundidade do melasma é feito com recurso à luz negra (luz UV).

No entanto, todos estes tratamentos são essencialmente formas de despigmentação, que destroem a melanina (caso do laser), reduzem a actividade dos melanócitos (ácido azelaico), inibem a enzima tirosinase, essencial à produção de melanina (hidroquinona) ou são co-enzimas na síntese da mesma.

Por outras palavras, as causas do melasma não são eliminadas; o tratamento apenas reduz a resposta dos melanócitos à exposição solar. Consequentemente, se não tomar medidas de protecção após este tratamento, com a resposta diminuída, a sua pele estará menos protegida contra os efeitos da radiação solar e estará a contribuir para o envelhecimento cutâneo precoce. Com o passar do tempo e dos efeitos do tratamento, as manchas voltarão.

Manifestamente então, o tratamento do melasma deve ser considerado em última instância e a prevenção deve ser a sua aposta mais firme. Para evitar o surgimento das manchas, é aconselhada a utilização de protector solar durante o dia, independentemente da estação do ano. Opte pelo menos por um factor 30, ou mesmo por um factor 50+ no caso de peles mais sensíveis, e evite exposição desnecessária ao sol. A utilização de chapéus e roupa que proteja a sua pele é também fortemente aconselhada. 

Estes são cuidados essenciais e fáceis de seguir para evitar o surgimento do melasma. Se não os adoptar, com cada recorrência estará a submeter a sua pele a tratamentos evitáveis, vulnerabilizando-a ao sol de cada vez. Por estas razões também, o Inverno será a melhor altura para proceder a um tratamento, pois com a intensidade mais fraca do sol, as manchas tendem a desvanecer, e os efeitos da sua eliminação durarão mais.

No melasma, a prevenção é a opção mais eficaz e mais económica. Saiba mais com a Derme

Rubor Facial Afecta 40 Milhões de Pessoas no Mundo

É uma condição comum: o rubor facial pode afectar mais de 40 milhões de pessoas em todo o mundo, mas as causas subjacentes à sua formação não são todas idênticas e são frequentemente mal diagnosticadas. Continue a ler para saber mais sobre o rubor facial.

O rubor facial é uma doença?

O rubor facial é em condições normais uma resposta normal do nosso corpo a situações de stress. Quando sentimos vergonha ou nervosismo, activa-se no nosso corpo uma porção do sistema nervoso autónomo que se chama sistema nervoso simpático e que tem como missão preparar o corpo para reacções aceleradas a situações de perigo. rubor facial

Em casos onde existe hiperactividade do sistema nervoso simpático, o rubor facial dá-se com intensidade e frequentemente sem estímulo proporcional, num mecanismo análogo à hiperactivação que causa a hiperidrose (sudação). Milhões de pessoas vivem por isso com episódios frequentes de rubor facial sem compreenderem que o problema não é de personalidade ou psicológico.

Mas se o rubor persistir por períodos anormalmente longos, podemos estar perante uma condição bastante diferente, a rosácea couperose.

Inicialmente, para as pessoas menos atentas, ambos os tipos de rubor facial poderão confundir-se, visto que ambos podem surgir perante situações de stresse emocional, calor ou exercício físico. A rosácea será no entanto desencadeada também pela exposição solar, vento, frio, consumo de álcool, alimentos picantes, entre outros.

A dificultar o diagnóstico, o eritema que caracteriza a rosácea e que dá origem ao rubor tem manifestações similares noutras condições e a rosácea é frequentemente confundida com acne ou dermatite seborreica. Não é por isso de admirar que durante uma parte das suas vidas, os pacientes com rosácea tenham sido diagnosticados com outras condições e submetidos a tratamentos que não só não resultam, como poderiam agravar a condição.

Por ser tão fácil confundir as causas e a fisiologia do rubor facial, é impreterível que não tentemos fazer um diagnóstico domestico, na esperança de podermos solucionar o problema com uma visita à farmácia. Só um dermatologista experiente pode analisar melhor as lesões e proceder aos exames necessários para um diagnóstico correcto. 

Prevenção e combate ao rubor facial

O rubor facial causado pela rosácea pode ser controlado com a aplicação tópica de antibióticos e através de terapia laser, mas só em alguns casos a doença entra em remissão total. Na maioria dos indivíduos, os surtos dar-se-ão sempre que a pele seja exposta a factores de risco. Independentemente da terapêutica escolhida, é por isso de uma importância crucial aceitar os conselhos do seu médico dermatologista para determinar quais são os factores que desencadeiam o seu rubor específico, delineando estratégias para os evitar ou combater.

Ora a exposição solar é universalmente conhecida como um factor de desencadeamento de episódios de rosácea, pelo que muitos indivíduos negligenciam a protecção da sua pele. O frio do Inverno pode no entanto ser pelo menos tão prejudicial quanto o sol, isto porque agride e desidrata a pele mais vulnerável dos sofredores de rosácea. Nestes casos, a epiderme não cumpre tão bem a sua função de barreira, devido à presença de micro fissuras por onde é mais fácil perdermos água ou recebermos infecções.

A par com este factor, as temperaturas são frequentemente flutuantes e damos por nós a sair de edifícios demasiado aquecidos para exteriores demasiado gelados, alterações que originam uma resposta vascular normal, mas que no caso do rubor facial é exagerada, também porque a agressão é sentida com maior intensidade, graças à já mencionada fragilidade acrescida.

Por isso, mesmo no Inverno é necessário utilizar protector solar e manter uma hidratação intensa da pele, protegendo-a. É no entanto de esperar que durante a época fria haja algum agravamento do rubor facial e esse poderá ser o momento ideal para procurar o seu dermatologista para um tratamento preventivo.

As opções, que vão desde os antibióticos tópicos, cremes e retinóides ao laser pulsado de contraste, podem ajudá-lo a combater um agravamento quando este está ainda no início, com menos custos e desconforto.

Informe-se junto do seu dermatologista e prepare-se para um Inverno sem rubor facial.

A eficácia do ácido hialurónico no rejuvenescimento facial

Segundo os estudos mais recentes divulgados pela PubMed, diversas formulações de creme de ácido hialurónico de aplicação tópica mostraram sucesso efectivo na recuperação da elasticidade e volume da pele.

O ácido hialurónico (AH) é um potente e eficaz material de preenchimento de rugas, mas neste artigo vamos discutir o seu papel na prevenção de rugas e envelhecimento da pele. Continue a ler para saber mais sobre o que o ácido hialurónico pode fazer por si. 

Ácido hialurónico: o que é e para que serve

O ácido hialurónico é um dos principais componentes da matriz extracelular dos tecidos animais, onde o seu papel lubrificante é crucial para promover a mobilidade e migração de células e nutrientes. Tem por isso uma importante função na regeneração dos tecidos após traumatismos e ferimentos, mas também é vital para o correcto funcionamento das nossas articulações.

Central às suas grandes vantagens é a capacidade de reter uma quantidade apreciável de água, graças a uma molécula de grandes dimensões. Podemos por isto dizer que o é o elemento chave na manutenção da hidratação da nossa pele, o que tem uma importância específica no combate às rugas, como veremos de seguida.

De ressalvar que o ácido hialurónico para fins clínicos é obtido através de processos metabólicos em bactérias, de modo a eliminar da sua composição proteínas animais que pudessem suscitar respostas alérgicas. 

A prevenção das rugas com o ácido hialurónico

ácido hialurónico Antes2Quando somos jovens, a nossa pele tem volume e elasticidade, é macia, lisa e brilhante. Com o avançar da idade isto muda, mas não apenas pela idade em si, embora também.

De facto, o nosso corpo é todos os dias sujeito a agressões diversas (sol, frio, calor, poluição), onde além das naturais devemos contar com os nossos vícios mais prejudiciais para o metabolismo da pele, nomeadamente o tabagismo. Todos estes factos normais da nossa vida provocam danos na nossa pele e estruturas subjacentes, com o sol a ser um dos principais culpados pelos danos causados nas fibras de colagénio e elastina responsáveis pela tonicidade dos nossos tecidos.

Idealmente, o nosso corpo repara estes danos e repõe os elementos perdidos, mas com o avançar da idade e a desaceleração do nosso metabolismo, os danos vão-se amontoando, a pele perde elasticidade, fica flácida e surgem as rugas. Estas, têm uma fisionomia mais complexa do que é possível imaginar à primeira vista.

ácido hialurónico Depois2Por um lado, no caso das rugas de expressão, representam os pontos onde os músculos responsáveis pelas expressões faciais desenvolveram sulcos e quebras, devido à acção continuada. Por outro, tratam-se de pontos onde as fibras de colagénio e elastina estão fragilizadas e a hidratação diminuída. O metabolismo também afecta o ácido hialurónico: o nosso corpo tem, em dado momento, apenas 15g deste importante elemento, dos quais 1/3 é sintetizado todos os dias, uma quantidade que decresce com o envelhecimento.

O procedimento natural será então repor essa hidratação, nomeadamente através de injecções à base de ácido hialurónico nos pontos fulcrais. Aí, a acção do ácido não só tem um efeito positivo na produção de novas fibras de colagénio, como atrai para o local a água necessária à hidratação correcta dos tecidos: por cada grama de AH, são retidos 1000mL de água!

Não há, todavia razão para esperarmos até ser tarde demais, para recorrermos a este ingrediente quase milagroso. Como o seu papel hidratante é central à capacidade da nossa pele se regenerar e manter a tonicidade, uma hidratação correcta da pele será extremamente benéfica para manter a sua juventude.

E neste caso, não há talvez melhor componente para um creme facial do que o ácido hialurónico. Ao penetrar na pele, verifica-se uma imediata captação de água para o local, que mais do que contribuir para a hidratação e volume, agiliza o movimento celular. Por outras palavras, cria-se uma matriz hídrica essencial aos movimentos de nutrientes outros elementos, o que contribui para uma correcta nutrição e reposição dos tecidos saudáveis e danificados.

Assim, não precisa ajudar a idade. Pelo contrário, pode atrasar os seus efeitos com uma correcta nutrição e protecção que atrase os efeitos mais notórios do envelhecimento.

Saiba mais em www.derme.pt

Laser fraccionado de CO2: revolução anti-rugas

Os tratamentos laser para rugas têm já um longo historial, os primeiros surgindo ainda nos anos 80. Úteis igualmente para combater cicatrizes ou manchas, os lasers funcionam quando o seu potencial energético é convertido em calor nas células receptoras, vaporizando-as e levando ao surgimento de pele nova e revitalizada.

Como diferentes componentes celulares têm diferentes limites energéticos, é possível sintonizar o comprimento de onda, a duração dos pulsos e do tratamento, para afectar apenas elementos específicos, como a água dentro de uma célula ou os cromóforos responsáveis pelas manchas pigmentadas ou ainda o pigmento sanguíneo.rugas

Mas dentro dos lasers disponíveis, o laser de CO2 fraccionado tem mostrado ter vantagens para a eliminação de rugas finas, ao mesmo tempo que minimiza o tempo de cicatrização e efeitos adversos. Como o nome indica, ao contrário dos lasers tradicionais, o laser fraccionado não destrói toda a superfície da epiderme; pelo contrário, o feixe é dividido em outros mais pequenos que penetram a pele num padrão de grelha, deixando pontos de entrada rodeados de pele saudável. Ao iniciar o processo de cura dos pontos afectados, o próprio organismo substitui também a pele circundante, levando a uma recuperação mais rápida e com menos complicações.

Em que tipo de rugas deve o laser fraccionado ser utilizado?

O tratamento de rugas mais indicado com laser fraccionado de CO2 é o que incide sobre rugas mais finas, enquanto as mais profundas serão melhor combatidas com lasers ablativos tradicionais. Para obter os mesmos resultados, o laser fraccionado requer um maior número de tratamentos. No entanto, e graças à sua menor agressividade, é o ideal para combater pequenas rugas e pode ser utilizado com menor risco nas zonas sensíveis do rosto como nas pálpebras e em redor dos olhos, ou perto dos lábios.

Como em todos os lasers, podem ocorrer fenómenos de hiper ou hipopigmentação na zona tratada, pelo que se possui pele escura, deverá aconselhar-se correctamente junto do seu médico dermatologista.

Que outros tratamentos anti-rugas existem?

Apesar do crescimento em popularidade dos lasers, existem diversas alternativas para eliminação de rugas, passando pelos peelings, mas acima de tudo pelo chamado preenchimento de rugas, uma técnica que consiste na injecção de fillers nas zonas rebaixadas das rugas de modo a gerar volume.botox - rugas

Tecnicamente falando, o botox não consiste num preenchimento. A acção da toxina botulínica actua pelo relaxamento dos músculos responsáveis pelas rugas de expressão, e não tem como objectivo dar volume aos tecidos. Os materiais utilizados como preenchimentos são bem diferentes, nomeadamente o ácido hialurónico e o colagénio, naturais e que repõem os níveis de ambas substâncias na nossa pele, ao mesmo tempo que recuperam o volume.

Existem ainda os preenchimentos ditos bio-estimulantes, que possuem uma acção estimulante dos fibroblastos que produzem o colagénio responsável pela firmeza e elasticidade da pele. As rugas tratadas deste modo tenderão a desaparecer por um período mais alargado, uma vez que a sustentabilidade da pele se baseia nestas novas fibras, embora – e por isso mesmo – os efeitos se notem de modo mais retardado.

Laser, botox ou preenchimento de rugas, existem hoje tratamentos anti-rugas à medida de cada idade e tipo de ruga. O importante é aceitar sempre o conselho médico e encontrar o tratamento adequado a si.

Saiba mais sobre tratamentos de rugas em www.derme.pt

download ebook_rugas

Plasma rico em plaquetas: a cura no nosso próprio corpo

A terapia de plasma rico em plaquetas tem recebido uma atenção crescente no mundo à medida que grandes desportistas como Tiger Woods e Rafael Nadal a ela recorrem para recuperarem de lesões. Mas o que é afinal o plasma rico em plaquetas?

Apesar da sua manipulação em laboratório, esta terapia consiste na recolha do nosso próprio sangue, que é depois centrifugado de modo a separar as plaquetas dos restantes constituintes sanguíneos. O plasma resultante tem uma concentração de plaquetas superior ao sangue normal e, quando injectado numa área lesionada, tem vindo a dar provas convincentes da sua capacidade para auxiliar a recuperação dos tecidos. O facto da «matéria prima» vir do nosso próprio corpo significa que o plasma rico em plaquetas tem riscos negligenciáveis de complicações.plasma rico em plaquetas - derme lisboa

A importância das plaquetas transcende a sua função mais famosa de coagulação do sangue. Elas possuem aquilo a que se chama de «factores de crescimento», e que contribuem positivamente para os processos de recuperação dos tecidos.

E se estão geralmente inactivas, quando ocorre uma lesão no nosso corpo, elas são chamadas ao local.

Uma vez em acção, as plaquetas também atraem para o local outros meios ao dispor do nosso sistema imunológico para potencializar todo o processo, acelerando a cicatrização.

O plasma rico em plaquetas e a psoríase

Graças à sua constituição e modo de actuar, o plasma rico em plaquetas tem uma impressionante acção de rejuvenescimento tecidular: as plaquetas promovem a formação de novos tecidos e activam os macrófagos que removem materiais e organismos estranhos à lesão. No caso de lesões artríticas ou tendinites, o paciente pode necessitar de diversas injecções e, nas primeiras semanas, poderá sentir inclusivamente um aumento do desconforto, antes das melhorias serem notórias e prolongadas no tempo. 

Os efeitos de rejuvenescimento cutâneo do plasma rico em plaquetas também são de um reconhecimento crescente, graças à sua acção bioestimulante. Injectado em tecidos cutâneos flácidos, o PRP estimula os fibroblastos e levam à produção de fibras de colagénio, restaurando a tonicidade natural da pele.

Mas para o sucesso do tratamento da psoríase, não é a capacidade de rejuvenescimento cutâneo do plasma rico em plaquetas que procuramos, antes sim, o seu poder regenerativo dos tecidos. Uma forma particularmente grave de psoríase é a psoríase artrítica, que afecta as articulações e tem um efeito deformante e incapacitante. Injectado nas articulações afectadas, o PRP combate a inflamação com sucesso, atenuando os sintomas da condição e devolvendo ao paciente uma grande porção da sua vida quotidiana normal.

E esta eficácia não acarreta grandes riscos, visto tratar-se de um produto autólogo, nem causa incómodo, já que a recolha do plasma não demorará mais do que dez ou quinze minutos, e a sua aplicação é igualmente rápida sem necessidade de um recobro prolongado.

Para saber mais sobre tratamento da psoríase e terapia de plasma rico em plaquetas, esteja atento a este blogue

A importância do diagnóstico no tratamento da rosacea

O que é a rosácea?

rosácea é uma doença crónica, que se manifesta principalmente nas maçãs do rosto, no nariz e no queixo, e caracterizada por eritema (vermelhidão) devido à dilatação dos vasos sanguíneos (telangiectasias) que irrigam a pele, além de pápulas e pústulas. Os mecanismos do surgimento de um surto são actualmente incompreendidos, mas as causas mais frequentes incluem a exposição solar excessiva, o tempo quente, episódios de stresse ou ansiedade, além da própria tipologia da pele do indivíduo, sendo que os indivíduos nórdicos, de pele branca e olhos claros, são tendencialmente mais vulneráveis. 

Muitos dos afectados pela rosácea encaram a condição com displicência e recorrem a fármacos sem receita medica. No entanto, a consulta de um médico dermatologista é mandatória para proceder a um diagnóstico correcto, já que a rosácea é menos inofensiva do que parece: quando afecta os olhos (rosácea ocular), a falta de tratamento pode precipitar danos para os tecidos oculares com consequências de diminuição crónica da nossa capacidade de visão (queratites). O tratamento da rosacea é por isso crucial.rosacea

Contacte-nos hoje mesmo se suspeita ter rosacea ou tem sintomas persistentes desta condição cutânea. Agende a sua visita através do 213 714 116 ou do email geral@derme.pt, e trabalharemos juntos para solucionar o seu problema.

Porque devemos procurar um dermatologista

A principal razão para procurarmos um dermatologista é que a rosácea pode ser confundida com outras condições cutâneas. Mais especificamente, a rosácea é frequentemente confundida com o acne vulgar, mas a foliculite pitirospórica e o lupus eritematoso têm sintomas de razoável semelhança, incluindo a vermelhidão e as erupções cutâneas na face. A complicar a situação, podemos igualmente deparar-nos com doenças concomitantes não detectadas, cuja evolução será negativamente afectada pelo tratamento da rosácea.

Por exemplo, tanto a dermatite seborreica, quanto a foliculite podem ser causadas por fungos do tipo malassezia, eficazmente combatidos com recurso a antifúngicos tópicos, mas estes últimos poderão agravar uma condição subjacente ou concomitante de rosácea/couperose. Perante estes sintomas, um bom dermatologista é crucial para diagnosticar a doença certa e evitar agravamentos desnecessários.

De particular importância, a rosácea pode alastrar-se para os olhos e causar perda de visão, embora uma das consequências mais conhecidas seja o denominado rinofima, uma deformação a do nariz, devida a um crescimento excessivo dos tecidos (fibroplasia), na sequência do excessivo desenvolvimento das glândulas sebáceas e de uma fibrose tecidular associada.

Porque a rinofima tem um aspecto estético bastante desagradável, é nesta fase que muitos pacientes se sentem verdadeiramente afectados pela doença e desenvolvem os maiores complexos. No entanto, a medicina dermatológica tem hoje disponíveis tratamentos bastante eficazes para a reposição do aspecto normal do nariz.

Que tratamentos para a rosacea?

O tratamento da rosácea depende do seu estadio evolutivo e pode fazer ecurso a várias abordagens terapêuticas:rosacea ocular

  • A medicação sistémica e/ou a aplicação tópica de moléculas suavizantes e anti-inflamatórias. Muito recentemente o surgimento no mercado de um creme que reduz o rubor cutâneo de forma transitória e sem efeitos colaterais.
  • A camuflagem dos aspectos eritematosos (avermelhados) da face com maquilhagem específica.
  • O laser pulsado de contraste (PDL) de 595 nm de comprimento de onda que coagula e atinge selectivamente os vasos sanguíneos sem danificar as outras estruturas cutâneas.

A aplicação precoce de uma terapia de luz pulsada pode ajudar a resolver os problemas maiores do nariz, sem este chegar a desenvolver rinofima, mas uma vez esta instalada, a melhor hipótese de tratamento é a vaporização com laser CO2 para modelar a forma correcta do nariz, à semelhança do que seria conseguido com um bisturi.

Já no caso da rosacea ocular, o tratamento inclui gotas oftálmicas e lavagens frequentes da zona dos olhos, além da prescrição de descongestionantes, vaso-constrictores e, por vezes, antibióticos como a doxiciclina (uma tetraciclina). 

Para os restantes tipos de rosacea, os antibióticos orais como as tetraciclinas ou os de aplicação tópica poderão ser extremamente eficazes, enquanto o ácido azelaico de aplicação tópica reduzirá a vermelhidão. Em última instância, é possível o recurso à isotretinoína (derivado da vit. A ácida) em doses adequadas à gravidade de cada caso.

Acima de tudo, não negligencie a importância da supervisão médica para um tratamento mais eficaz e adequado.

Cuidados a ter com a rosácea

Apesar da incompreensão que ainda subsiste quanto à verdadeira natureza da rosácea, os factores dietéticos não são de negligenciar. Evitar o consumo de álcool, cafeína ou comidas picantes pode ter efeitos positivos na progressão da doença. Paralelamente, existem no mercado cosméticos com vitamina E que podem ajudar a prevenir a irritação da pele, do mesmo modo que os pós minerais têm a vantagem de não conter agentes irritantes. Bases contendo óleos são igualmente de evitar.

Para saber mais sobre a rosacea e obter ajuda no seu tratamento ou prescrição de uma rotina comportamental que minimize os efeitos da doença, a Derme está ao seu dispor através do 213 714 116 e do email geral@derme.pt para o auxiliar.