Arquivo da Categoria: Hiperidrose

A hiperidrose caracteriza-se pela transpiração anormalmente aumentada, muito para além do necessário para a regulação da temperatura corporal. Normalmente, a hiperidrose provoca mãos frias e húmidas, desidratação e infecções secundárias na pele.

Hiperidrose: tratamento com Botox®

Sintomas da hiperidrose

hiperidroseA hiperidrose caracteriza-se pela transpiração anormalmente aumentada, muito para além do necessário para a regulação da temperatura corporal.

A hiperidrose provoca grande desconforto pessoal, social e, frequentemente, profissional para o paciente. Mãos frias e húmidas, meias molhadas, manchas axilares, maceração da pele nas pregas (inguinais nomeadamente), associado frequentemente a odor desagradável (bromidrose) ou mesmo alterações de cor transferida para os tecidos da roupa (cromidrose) e aumento da incidência de infecções secundárias na pele são manifestações regularmente associadas a esta patologia.

Tratamento com Botox®

Alguns dos tratamentos mais utilizados para combater a hiperidrose incluem injecções de toxina botulínica tipo A, nomeadamente das marcas Botox®, Dysport® ou Azzalure® que funcionam como inibidores das glândulas sudoríparas, sendo que os efeitos duraram entre 8 e 12 meses.

A aplicação da toxina botulínica nas mãos, axilas ou noutros locais, elimina quase na totalidade a produção de suor localmente. O procedimento é realizado sem internamento e o paciente pode retomar as actividades normais no próprio dia. Por não ser definitivo, o tratamento com Botox® deve ser aplicado a cada oito a 12 meses.

Uma das maiores vantagens do tratamento da hiperidrose com Botox® é não apresentar, virtualmente, qualquer risco. Além disso, pode ser aplicada nas mãos, pés, axilas, na região frontal do rosto e no pescoço.

Duração do tratamento

O Botox tem vindo a ser cada vez mais utilizado para o controlo da hiperidrose palmar e axilar, sobretudo. O tempo de duração deste tratamento varia entre os 8 e os 12 meses, dependendo do caso, do número de unidades usadas em cada caso e do local da aplicação.

A eliminação da hiperidrose não tem a mesma duração em todos os pacientes. No caso das axilas, a abolição química da hiperidrose permanece, em média, durante dez a doze meses. No entanto, com a continuação da aplicação, este prazo tende a ser cada vez mais dilatado.

Além disso, estudos indicam que 92% dos pacientes relataram ter tido uma melhoria na qualidade de vida e 61% referiram que a hiperidrose voltou em quantidades menores do que a inicial.

Para saber mais sobre o tratamento da hiperidrose com Botox, contacte-nos já e marque uma consulta, através do número 213 714 116 ou do endereço de correio electrónico geral@derme.pt

Saiba mais em www.derme.pt

 

Transpiração das mãos: Tratamentos

Casos há em que pacientes relatam sofrer de transpiração excessiva de forma constante, nomeadamente em zonas localizadas como as palmas das mãos.

Por não estar exclusivamente associado a esforço físico ou calor, este fenómeno torna-se extremamente incomodativo.

Transpiração das mãosA transpiração excessiva (hiperidrose) pode ocorrer como resposta do organismo a um esforço físico e, nesse caso, tem uma função fisiológica na termorregulação ou pode aparecer como uma reacção «desadequada» do mesmo, com bastante frequência, associada a factores de ansiedade e stress emocional.

Nestes casos específicos, é mais frequente o envolvimento de áreas restritas, como as palmas das mãos, as plantas dos pés ou as regiões axilares.

Só de forma rara, essa hiperidrose é generalizada e mais difícil de tratar.

Hiperidrose: tratamentos

No tratamento da hiperidrose existem algumas moléculas de aplicação tópica, entre elas os sais de alumínio, que podem ser suficientes para controlar alguns quadros, sobretudo os mais ligeiros.

Nas situações mais resistentes à terapêutica, pode ser usada a iontoforése local (técnica de ionização das glândulas sudoríparas), a aplicação de toxina botulínica ou mesmo uma pequena intervenção cirúrgica (simpaticectomia torácica) para reduzir a transpiração por períodos mais ou menos longos, em zonas anatómicas limitadas.

Nos casos de hiperidrose generalizada, a situação torna-se mais difícil de tratar e o recurso a medicação anti-colinérgica ou a alguns medicamentos anti-depressivos (inibidores de recaptação da serotonina) pode resultar.

Para saber mais sobre tratamentos da transpiração das mãos, contacte-nos já e marque uma consulta, através do número 213 714 116 ou do endereço de correio electrónico geral@derme.pt

Hiperidrose – Como tratar?

Tratamentos com e sem cirurgia

Tratamentos sem cirurgia

hiperidrose - dermeExistem diversos tratamentos disponíveis para a hiperidrose. O Botox® é uma das alternativas recentes e que garante bons resultados na hiperidrose, quer axilar, quer palmo-plantar.

O tratamento consiste na aplicação de pequenos pontos de Botox nas duas axilas, inibindo o funcionamento temporário das glândulas sudoríparas.

Este tratamento tem, habitualmente, um tempo de duração superior ao do mesmo Botox usado com fins cosméticos nos músculos da mímica facial e é frequente ter períodos de remissão superiores a seis ou oito meses, devendo a sua aplicação ser repetida posteriormente.

Os valores da aplicação de Botox nas duas axilas rondam os €650, dada a quantidade de unidades que é necessário aplicar.

Tratamentos cirúrgicos

Há uma cirurgia especialmente indicada para o tratamento da hiperidrose. Trata-se da simpaticectomia torácica que, por vezes, induz uma sudação compensatória noutros locais.

Auto-estima

O problema do excesso de transpiração e mau odor afecta a auto-estima das pessoas, provocando situações como a fuga dos amigos e colegas de trabalho, entre outras.

A transpiração com mau odor – bromidose – tem origem nalgumas zonas do corpo onde estão presentes glândulas sudoríparas de um tipo especial, as de tipo «apócrino». Estas zonas são as axilas, virilhas, região peri-anal e aréolas mamárias.

Nestes casos, o controlo da bromidose tem de se fazer, não só através da diminuição da produção de suor, como da redução da flora bacteriana da pele, uma vez que a mesma se deve à degradação de materiais celulares pelos micro-organismos que constituem esta mesma flora.

Problemas psicológicos

Os sais de alumínio apenas reduzem a secreção écrina, mas podem ajudar a melhorar as condições locais para diminuir a colonização bacteriana, assim como os anti-sépticos locais.

Em última instância, pode ser realizada a excisão da camada adiposa da derme, a lipoaspiração local ou a curetagem dérmica da axila (onde se encontram as glândulas) que, de forma habitual, tem resultados bastante satisfatórios.

O tratamento destes pacientes tem de ser levado a cabo, sob pena de desenvolverem problemas psicológicos e relacionais importantes (bromidrosofobia).

Para saber mais sobre tratamentos da hiperidrose, com e sem cirurgia, contacte-nos já e marque uma consulta, através do número 213 714 116 ou do endereço de correio electrónico geral@derme.pt