Arquivo da Categoria: Remoção de Sinais

É prática diária de um dermatologista controlar os sinais dos seus pacientes. Sobretudo no início e fim da época balnear, altura em que há um aumento generalizado da preocupação com o cancro de pele.

Sinais Perigosos – Atenção!

É prática diária de um dermatologista controlar os sinais dos seus pacientes. Sobretudo no início e fim da época balnear, altura em que há um aumento generalizado da preocupação com o cancro de pele.

SinaisNa minha prática diária vejo sinais de todos os tipos. Os sinais congénitos, que surgem em média, em 1% dos bebés à nascença.

São sinais relativamente pequenos, menores que 1cm de diâmetro e que, à partida não oferecem preocupação. Os sinais congénitos de maior dimensão, aparecem a cada 20 mil bebés, e têm uma probabilidade de até 13% de se transformarem em tumores malignos, ou seja melanomas malignos.

Mais frequentes que os sinais congénitos, são os sinais adquiridos. Estes aparecem fundamentalmente entre o final da infância e o início da idade adulta.

Como saber avaliar, de entre todos os sinais do corpo, quais os perigosos?

Pois bem, essa é uma pergunta importantíssima para o auto-diagnóstico, responsabilidade vital de cada um de nós, enquanto “médicos” de nós próprios. Eis 5 pontos que deve ter em atenção quando avalia a sua pele:  A, B, C, D e E.

A saber:

A-     Assimetria: divida visualmente o sinal em 2 partes iguais e avalie a simetria. Quanto mais assimétrico for o sinal, também em termos pigmentares, mais perigoso ele será.

B-      Bordo irregular: observe os bordos dos sinais. Irregularidades ou bordos mal definidos indiciam eventual potencial evolutivo

C-      Cor irregular ou muito escura: avalie a tonalidade e regularidade da cor. Um sinal potencialmente perigoso é multicolor, de cor muito escura ou pode ter um aspecto leitoso (como se estivesse coberto por um véu).

D-     Diâmetro: analise a dimensão do sinal, se for superior a 8 a 10 mm, requer observação médica.

E-      Evolução: A evolução rápida das características de um sinal pode estar relacionada com o seu potencial maligno.

Associado a estas características há ainda que valorizar aspectos como o prurido (comichão), inflamação, hemorragia ou ulceração das lesões.

Pessoas com maior número de sinais não têm necessariamente maior tendência para desenvolver sinais malignos. Se é uma pessoa com poucos sinais, deve ter um cuidado reforçado na pesquisa de sinais novos, pois podem ser perigosos.

Procure sinais em áreas pouco habituais, como orelhas, nariz, mãos, joelhos (frente e trás), pés (cima e em baixo)

Procure por sinais que tenham características invulgares ou nos quais tenha notado um crescimento anormal. Este tipo de sinais podem indiciar uma patologia pré-maligna que pode transformar-se em cancro da pele e têm que ser tratados de forma precoce.

Procure por sinais existentes ou novos com as seguintes características: cor escura, tendencialmente preta, e em casos raros, vermelho, branco ou da cor da pele, que tenham sofrido aumento de dimensão recente.

Sinais com estas características podem identificar melanoma, o tipo de cancro de pele mais perigoso.

download ebook_sinais_

Nota: Este artigo foi originalmente publicado a 25 de Julho de 2013. O seu conteúdo foi actualizado.