Arquivo da Categoria: Varizes

As varizes decorrem de uma doença vascular que se identifica através do inchaço ou deformação das veias.

Varizes e pilulas anticoncepcionais

A maior parte das pessoas que me consultam não sabem quais os factores agravantes ou facilitadores do aparecimento / desenvolvimento das varizes.

derme-varizesDe facto é um tema que não está ainda totalmente dissecado. Sabemos na comunidade médica que os principais agentes influenciadores são a história familiar, a gravidez, alterações hormonais, a obesidade, a postura, o sedentarismo / falta de exercício físico, o género (feminino) e a idade.

Não nos podemos esquecer de factores que influenciam os agentes acima identificados, nomeadamente as alterações hormonais. Não é só a gravidez que propicia alterações hormonais. A menopausa, a medicação e os anticoncepcionais orais como a pílula alteram o sistema hormonal podendo induzir a formação de varizes.

Pílulas, hormonas e varizes nas mulheres

Para que o leitor entenda com pormenor o efeito da pílula anticoncepcional, importa explicar medicamente como tudo acontece.

A pílula anticoncepcional aumenta os níveis de estrogénio e progesterona. Por sua vez estas hormonas influenciam o correcto funcionamento das válvulas venosas, limitando a sua performance. Por isso se tem observado maior incidência de varizes nas mulheres face aos homens, existindo uma relação de 4 para um respectivamente.

Quanto mais libertação e absorção de hormonas maior a propensão para desenvolver varizes.

Pelo que, em mulheres que têm outros factores de risco (como história familiar, obesidade, vida sedentária, tabagismo ou longos períodos contínuos em pé) costumo sugerir outro tipo de contracepção que deve ser discutido com o seu ginecologista.

O auto-diagnóstico das varizes

Esteja atenta aos sinais de alerta. Se toma a pílula deve fazer um auto-exame, em especial, nas pernas, identificando:

  • veias salientes
  • áreas com sensação de ardor/calor
  • derrames
  • veias azuladas
  • manchas escuras
  • hemorragias

Se tiver algum destes sinais deverá consultar o seu dermatologista para um diagnóstico mais profundo e consequente plano de tratamento.

O plano de tratamento pode não implicar o abandono da sua pílula.

Em casos pouco graves de varizes, a prevenção, a adopção de um novo estilo de vida, a mudança de hábitos alimentares e posturais e o uso de meias elásticas e roupa mais confortável podem ser suficientes.

Em casos graves de varizes ou esteticamente incomodativos, aconselho claramente um tratamento.

Soluções de tratamento de varizes na Derme.pt

Felizmente hoje em dia, na área da dermatologia/cirurgia vascular, há tratamentos rápidos, indolores e sem tempo de convalescença, que eliminam as varizes e permitem um regresso à vida activa quase de imediato.

A abordagem terapêutica deste tipo de lesões é específica, variando de acordo com a sua localização e gravidade.

Consulte o seu dermatologista e avalie a propensão para o desenvolvimento de varizes ou inclusivamente o tratamento das mesmas.

Nota: Este artigo foi originalmente publicado a 30 de Agosto de 2013. O seu conteúdo foi actualizado.

O tratamento das varizes é 100% eficaz?

Se sofre de varizes nas pernas, sabe o que é dor, cãibras, sensação de peso, cansaço, formigueiro e inchaço. Poderá igualmente saber o que é inflamação, formação de trombos, úlceras da perna e hemorragia. Mas acredite que todos estes sintomas são tratáveis.

O Tratamento das varizes é 100% eficaz?

varizesUma excelente pergunta, que me fazem diariamente e à qual rapidamente respondo que, na grande parte dos casos, sim. Há técnicas médicas, cirúrgicas e não cirúrgicas, que tratam eficazmente as veias dilatadas, como são conhecidas as varizes. No entanto, o leitor deve saber que a variz é uma doença crónica, pelo que poderá haver o aparecimento de novas varizes junto ao local tratado. Assim, deve ser feito um controlo periódico com intervalos semestrais ou anuais.

Há inúmeros tratamentos de varizes. Uns mais perigosos que outros, uns mais dolorosos que outros. Como tudo, há tratamentos de varizes mais e menos eficazes, e a escolha de entre os vários existentes, depende não só do conhecimento e experiência do médico mas também das características do paciente. Pelo que mais importante que o tratamento das varizes será efectuar um correcto e profundo diagnóstico das varizes do paciente pelo Dermatologista.

Se as varizes forem superficiais e não excederem uma largura de 2-3 mm eu sugiro a injecção de esclerosantes ou tratamento por via do laser. São técnicas modernas, rápidas e praticamente indolores.

Se as varizes forem profundas, provocarem eczema, úlcera varicosa ou varicorragia (hemorragia), sugiro um tratamento mais invasivo, naturalmente cirúrgico e que implica o tratamento das veias afectadas em profundidade pela Cirurgia Vascular. As consequências cutâneas podem e devem ser tratadas e seguidas pelo dermatologista.

No fundo, em qualquer tratamento das varizes queremos evitar alergias, hiperpigmentação, necroses ou tromboflebite superficial ou profunda (às vezes até com embolia pulmonar).Por isso é importante para si saber quais as possíveis complicações de cada tratamento. Fale com o seu médico e confie na sua experiência. O seu conhecimento técnico será decisivo no sucesso do tratamento escolhido.

Na minha prática médica, eis os tratamentos de minha eleição:

Tratamentos de radiofrequência ou a laser:

Cirurgia com laser endovascular/ cirurgia por ablasão endovenosa:

É um tratamento que requer apenas anestesia local e por isso pode ser feito em ambulatório. Consiste na destruição da veia varicosa através dos raios laser ou radiofrequência. É apenas necessária uma micro incisão, sem necessidade de sutura.

As vantagens são: tratamento pouco invasivo, pouco doloroso e bastante rápido; rapidez e maior conforto na recuperação. A energia aplicada conduz à coagulação e ao colapso da variz, que é posteriormente absorvida.

As desvantagens são: aplicação limitada a varizes diagnosticadas em fase precoce, sem qualquer alteração na pele

Escleroterapia ou secagem de varizes:

Este tratamento às varizes consiste na injecção de um líquido que seca a veia por irritação química da sua parede, após o qual ela desaparece.

As vantagens são: Tratamento rápido, praticamente indolor e de valor reduzido por sessão.

As desvantagens são: Possibilidade de rotura de alguns vasos com pigmentação residual que pode ser relativamente prolongada e denominada “matting”

Tratamento “externo” por laser vascular (PDL/ Nd-Yag longo pulso):

As vantagens são: Rapidez de acção, eficácia nos vasos de menor calibre e mais superficiais.

As desvantagens são: Eventual despigmentação transitória se a pele for morena ou estiver bronzeada e um valor por sessão superior ao da simples esclerose.

Nota: Este artigo foi originalmente publicado a 21 de Agosto de 2013. O seu conteúdo foi actualizado.

Varizes e derrames. Causa-efeito ou em nada relacionados?

Há alguns dias atrás um paciente aflito mostrou-me novos derrames que apareceram nas suas pernas e lamentou-se prevendo a evolução dos mesmos para varizes horríveis, dolorosas, daquelas que provocam perda de sensibilidade da pele, inchaço, necrose, úlceras e alterações de pigmentação da pele.

derme - varizes e derramesVinha com a lição estudada. Sabia quase tudo sobre varizes. Sabia que iria fazer parte dos 2 milhões de portugueses que sofrem desta patologia.

Sabia que as varizes resultam da incapacidade do nosso sistema circulatório de levar o sangue bombeado pelo coração de volta ao mesmo havendo uma acumulação nos membros inferiores com dilatação dos vasos (veias, vénulas e capilares).

Estudou tudo, inclusivamente sobre varizes reticulares e varizes tronculares.

Faltou-lhe aprender algo igualmente importante e que prontamente esclareci. Os derrames que me apresentou têm o nome de telangiectasias.

Resultam provavelmente de uma dificuldade da drenagem cutânea no tecido sub-cutâneo e uma vez que, na maioria dos casos,  não há qualquer comprometimento no âmbito dos troncos safenos não devem ser consideradas como um primeiro estádio da doença varicosa, como é caracterizada a variz troncular.

As tais varizes que apresentam sintomatologia diversa como aumento do calibre do caso, coloração azul ou roxa, dores, úlceras, hemorragias, entre outros sintomas ainda mais graves.

Desmistifiquei o problema. Os “derrames” são comuns e tendencialmente pouco ou nada graves. Têm tratamento rápido e indolor.

Os derrames têm dimensões até 2mm, são pequenas dilatações vasculares intradérmicas, geralmente assintomáticas (podendo por vezes provocar algum ardor), apesar de claramente inestéticas, frequentemente encontradas nas coxas e pernas.

Podem evoluir para pequenas varizes com dimensão entre 2mm a 5mm, mas permanecem assintomáticas.

Claramente se percebe agora a diferença entre um derrame e uma variz que se define como sendo uma veia dilatada e tortuosa, palpável e sintomática.

Para o tratamento dos derrames sugiro frequentemente a Escleroterapia ou secagem e, de forma complementar o laser.

A Escleroterapia consiste na infiltração dentro do vaso de uma substância irritativa para a sua parede e que vai acabar por provocar a retração e fechamento do mesmo vaso. Atenção que esta técnica requer muito conhecimento e experiência.

Deve falar com o seu dermatologista sobre os efeitos secundários como cicatrizes ou manchas escuras permanentes. Será a competência do seu dermatologista que ditará o sucesso desta técnica.

O tratamento a Laser, prefiro usá-lo nos “derrames” do rosto ou nos derrames residuais mais superficiais e avermelhadas e de menor calibre. Quanto o paciente apresenta, “derrames” resistentes à Escleroterapia, o tratamento a Laser, alterando as variáveis de “fluência e tempo de pulso” é realmente muito eficaz.

Além de pouco doloroso e rápido, feito com anestesia local, permite o regresso às actividades diárias instantaneamente.

Ter derrames é tão frequente que as pessoas desvalorizam o seu aparecimento. Note que apesar de geralmente assintomáticos deve ter consciência que os tem e ir controlando a sua evolução.

É realmente mais fácil ir tratando aos poucos estas lesões iniciais do que tratar lesões muito numerosas e de calibre cada vez maior. Observe em especial a zona do nariz, dos olhos, do pescoço, das pernas (coxas) e dos tornozelos. Fale com o seu dermatologista sobre a melhor opção de tratamento a seguir.

Nota: Este artigo foi originalmente publicado a 21 de Agosto de 2013. O seu conteúdo foi actualizado.

O aparecimento das varizes na gravidez

Varizes GravidezQualquer mulher que nunca tenha tido qualquer preocupação com varizes ou veias salientes, deverá ter especial atenção durante o período de gestação. A razão é simples. Tal como mostro ao espelho às minhas pacientes grávidas, a pressão do útero sobre as veias pélvicas e a veia cava inferior propicia o desenvolvimento de varizes, ao aumentar a pressão nas veias das pernas.

Por outro lado considera-se que as hormonas da gravidez, nomeadamente a progesterona, provoca o relaxamento das paredes dos vasos sanguíneos, favorecendo igualmente o surgimento de varizes, veias mais inchadas e com aspecto azulado.

Sintomas e sinais de alerta das varizes

O resultado sintomatológico difere bastante mas na generalidade a mulher que tem varizes queixa-se de:

  • pernas cansadas e/ou inchadas
  • ardor/ sensação de calor nas zonas afectadas
  • dor
  • veias salientes e azuis
  • derrames

Na 1ª gravidez é normal que logo após o nascimento do bebé haja uma regressão significativa das varizes. Em gravidezes posteriores poderá não haver o mesmo grau de regressão. Por norma as varizes acentuam-se de gravidez para gravidez.

Apesar de poder ser uma patologia temporária, a mulher deve preocupar-se em minimizar ao máximo a pressão nas pernas durante a gravidez e consultar um dermatologista.

Nova gravidez, nova vida, novos estilos comportamentais

Costumo dizer às minhas pacientes grávidas que quando engravidam estão a abraçar um estilo de vida completamente novo. Nesse estilo de vida devem incorporar novos hábitos sexuais, de alimentação, de postura, de sono, de exercício físico, entre outros.

Neste caso específico sublinho os novos hábitos de exercício físico, alimentação, sono e postura:

  • exercício diário com base em caminhadas de 30 a 45 minutos
  • elevar os pés acima da linha da cintura na cama
  • quando sentada, elevar os pés com o auxílio de um banco ou de alguns livros
  • dormir de lado
  • evitar cruzar as pernas
  • evitar longos períodos em pé
  • usar meias elásticas, com diferentes graus de pressão
  • ingerir alimentos à base de legumes e frutas que tenham potencialidades regeneradoras e que actuem como drenantes
  • beber muita água
  • evitar exposição solar prolongada.

Tratamento de varizes de tendência genética

As varizes decorrem de uma doença vascular que se identifica através do inchaço ou deformação das veias. Apesar de poderem manifestar-se em qualquer parte do corpo, são mais frequentemente encontradas nas pernas e nos pés, uma vez que são áreas onde há uma maior pressão do sangue que regressa ao coração, contrariando a força da gravidade.

As varizes na população mundial

Tratamento de varizes de tendência genéticaAs varizes afectam mais de 15% da população, com idade superior a 30 anos. Quando afecta jovens com idade inferior a 14 anos inserem-se no grupo de deformidades vasculares congénitas.

A maior parte das varizes ou veias varicosas, têm uma predisposição genética ou familiar que levam à perda ou enfraquecimento da elasticidade da parede da veia e incompetência no funcionamento das válvulas venosas.

Neste caso, as varizes denominam-se por varizes primárias. Em oposição, as varizes secundárias/adquiridas decorrem de lesões nas válvulas venosas seja por trauma ou trombose venosa profunda.

Varizes genéticas e ambientais ou situacionais

As pessoas que nascem com esta predisposição genética apresentam à partida uma menor resistência da parede das veias. Em combinação com outros factores desencadeantes de varizes, como gravidez, hormonas, obesidade e postura, têm de facto uma elevada propensão para o desenvolvimento de varizes.

Consequências das varizes na saúde

Como principais complicações das varizes, aponto as seguintes:

  • – hemorragia pelas veias varicosas, i.e., varicorragia
  • – hiperpigmentação da pele, i.e., manchas escuras, roxas
  • – eczema (de estase)
  • – úlcera, ou feridas da pele
  • – maior tendência para infecções (erisipela, impetigo, …)
  • -tendência para formação de coágulos dentro destes vasos (tromboses profundas)

A trombose profunda insere-se no quadro sintomatológico mais grave, podendo desenvolver e originar problemas respiratórios e embolias pulmonares.

Alerta SOS Varizes

É por isso importante não subestimar a gravidade das varizes, que podem desenvolver-se silenciosamente e de um momento para o outro provocar lesões permanentes graves. Esteja atento aos sinais.

Em especial chamo a atenção urgente de leitores que se enquadrem neste segmento:

Mulher, caucasiana, com mais de 25/30 anos, tem na família casos de varizes, sente ardor, cansaço, inchaço ou dor permanente nas pernas, já engravidou ou está grávida.

Por favor faça uma visita ao seu médico dermatologista para que ele avalie a sua situação clínica e possa propor medidas preventivas ou de tratamento.

Varizes e Postura Laboral

A maior parte dos meus pacientes que se queixa de dor, ardor, cansaço ou pressão nas pernas, são pessoas com mais de 30 anos, mulheres (já que as varizes afectam entre 3 a 4x mais as mulheres que os homens), que têm ocupações profissionais que as obriga a estar em pé durante elevados períodos de tempo. Não quer com isto afirmar que esta é a principal causa das varizes nas pernas, bem pelo contrário. Apenas indico que é um denominador comum entre os meus pacientes e que por isso deve ser considerado.

Gravidade e circulação sanguínea contra varizes

Aqui a questão é a gravidade, em pé não podemos lutar contra ela.

A gravidade aumenta a pressão nas veias da parte inferior do nosso organismo, logo, quanto mais tempo estivermos de pé, maior o tempo durante o qual se exercerá essa pressão e consequente maior a probabilidade de um funcionamento deficiente das veias (relaxamento das paredes dos vasos sanguíneos), logo, aparecimento de varizes.

Varizes são graves?

derme-varizes

Não é necessariamente grave ter varizes. É inclusivamente frequente a inexistência de sintomatologia acentuada. No entanto a estatística mostra que 5% da população afectada por esta patologia vascular desenvolveram coágulos de sangue nas veias ou trombos. Esses coágulos podem ser responsáveis por sintomatologia grave como um processo inflamatório agudo e muito doloroso da perna (flebotrombose) ou mesmo taquicardia e/ou problema em respirar repentino, o que pressupõe embolia pulmonar. E nesse caso é necessário actuar rapidamente sobre as varizes.

O importante é sem dúvida procurar tratamento, mesmo não tendo sintomatologia, uma vez que as varizes podem trazer complicações como os que abordei acima.

Conselhos do Dr. Miguel Trincheiras

Os meus conselhos médicos para pessoas que têm de facto necessidade de estar em pé etêm tendência genética para terem varizes passam por:

  • Redesenhar a postura: não cruzar as pernas, elevar os pés com auxílio de pequenos bancos sempre que possível, baixar mais a cadeira de forma a que o ângulo do corpo seja o mais próximo dos 90 graus
  • Repensar a roupa e calçado: evite usar roupa íntima justa/apertada, bem como calças, calções e saias justas. Opte por materiais elásticos e que permitam boa respiração. O calçado mais prejudicial é todo aquele que for desconfortável, pelo que não terá problemas em escolher o melhor para si.
  • Exercício físico: alterne o sedentarismo ao qual submete o seu organismo durante as horas de trabalho, com sessões de caminhada ou de bicicleta diárias.

Sintomas de varizes

Para saber identificar quando é que esta patologia vascular está indicada para tratamento cirúrgico (salvo razões estéticas), poderá analisar se sofre dos seguintes sintomas:

  • Hemorragia
  • Tromboflebite
  • Úlceras
  • Dor persistente
  • Inchaço persistente

Por não haver fórmulas mágicas e inclusivamente haver necessidade frequente de associar 2 ou mais técnicas de tratamento num mesmo paciente, é essencial o diagnóstico atento e cuidado do seu médico dermatologista ou cirurgião vascular. Além da análise à postura deverá ser traçado um histórico familiar.